/ NOTÍCIAS

#TarifaTransparente : entenda como é calculado o reajuste anual da tarifa

Como é calculado o reajuste anual da tarifa de ônibus do Rio?

Não tem mistério: somente cinco itens entram nesta conta.

São eles: mão de obra, veículos, óleo diesel, rodagem e outras despesas.

É o que está escrito em um documento público assinado em 2010 pelos consórcios e pela Prefeitura: o contrato de concessão.

Ele contém uma fórmula matemática que calcula o reajuste anual da tarifa.

Na fórmula, cada item segue uma proporção:

Mão de obra: 45%

Veículos: 25%

Óleo diesel: 21%

Outras despesas: 6%

Rodagem: 3%

Ou seja: na hipótese da tarifa custar R$ 1,00:

R$ 0,45 será referente a “mão de obra”

R$ 0,25 a “veículos”

R$ 0,21 a “óleo diesel”

R$ 0,03 rodagem

R$ 0,06 outras despesas

E assim por diante.

Outros itens, como ar-condicionado e custo de garagem, não entram no cálculo do reajuste.

E o que significa exatamente cada item?

“Mão de obra” refere-se à variação dos custos com pessoal operacional, de manutenção e administrativo

“Óleo diesel” refere-se à variação dos custos com combustível e lubrificantes

“Veículos” refere-se à variação dos custos de compra e manutenção de veículos, peças e acessórios.

“Rodagem” é variação dos custos de aquisição e manutenção de pneus

Outras despesas representa a variação dos demais custos como despesas administrativas, seguros/IPVA, sistemas de bilhetagem, CCO, terminais e estações, entre outras despesas operacionais.

Mas o reajuste é feito com base nas planilhas das empresas, certo?

Errado. O contrato determina que sejam usados índices de correção de dois órgãos autônomos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Fundação Getúlio Vargas (FGV).

E por que a tarifa deve ser reajustada todo ano?

Simples: porque existe inflação, que afeta todo mundo, não só as empresas de ônibus.

Então, seguindo um raciocínio lógico, se o combustível aumenta, o gasto da empresa para manter a frota circulando será maior.

Portanto, quando a Prefeitura não reajusta a tarifa, comete dois erros graves:

Primeiro: desrespeito ao contrato de concessão que ela mesma assinou.

Segundo: contribui para agravar os efeitos da crise, pois as empresas perdem aos poucos a capacidade de investir.

O resultado é o que se vê nas ruas:

Piora gradativa na qualidade do serviço, falhas na manutenção e limpeza dos ônibus, frota cada vez mais velha.

Nesse efeito cascata, os rodoviários também são afetados: neste ano, pela primeira vez desde 2010, a categoria ficou sem reajuste.

Tem também outro fato importante: metrô, trens e barcas tiveram as tarifas reajustadas, exceto os ônibus.

E mais: a tarifa cobrada atualmente no Rio é menor que a de capitais como São Paulo, Curitiba, Salvador, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Todos esses dados mostram que a tarifa de ônibus do Rio está defasada.

Os consórcios esperam que a Prefeitura cumpra a promessa de apresentar até 31/12 o cálculo da tarifa para o ano que vem, conforme acordado em reunião com o prefeito Marcelo Crivella (5/12) e em audiência na Justiça (11/12).

O Rio Ônibus também é favorável e vai colaborar com qualquer auditoria que estabeleça uma tarifa justa, capaz de manter o equilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão.

Assim, os investimentos em manutenção, operação e renovação da frota poderão ser retomados.

Isso é fundamental para preservar o emprego de 40 mil trabalhadores e garantir o transporte de 4 milhões de passageiros por dia no Rio.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Rio Ônibus lança campanha para incentivar doações à população do Rio Grande do Sul após tragédia climática

“Rio Ônibus na rota da Solidariedade” tem como objetivo impactar os 2,1 milhões de passageiros que utilizam os ônibus da cidade diariamente. Sensibilizado pelos impactos causados à população do Rio Grande do Sul pela devastadora tragédia climática que atingiu o estado, o Rio Ônibus lançou a campanha “Na rota da Solidariedade”, com objetivo de incentivar

// LEIA MAIS

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS


powered by MailChimp!
Scroll to Top